Eventos 2016

Carta sobre Política Nacional de Formação de Professores

Publicado em 25/10/2017 às 14h07
Prezadas associadas e prezados associados,
 
Encaminhamos nossa manifestação sobre a Política Nacional de Formação de Professores, anunciada pelo Ministério da Educação (MEC), proferida pelo então Sr. Ministro de Educação - José Mendonça Bezerra Filho, na última quarta-feira, 18/10/2017. A política de formação paira sobre a criação de uma Base Nacional Docente para tratar da ampliação da qualidade e do acesso à formação inicial e continuada de professores e professoras da Educação Básica. O programa tem como objetivo principal a melhoria da qualidade da formação inicial dos futuros professores com a proposição de modernização do Programa Institucional de Bolsas de Iniciação à Docência (Pibid), sob a construção de uma Residência Pedagógica com a oferta de 80 mil vagas e investimentos de R$ 2 bilhões na ação do programa. Sinalizam ainda que objetivam ampliar cursos de mestrado profissionalizante,abrangendo todas as áreas e componentes curriculares da BNCC, por meio de mestrados profissionais para professores e professoras de Educação Básica, cursos de especialização e o aumento da cooperação internacional nessa formação.
 
Segundo o Ministro da Educação, um dos compromissos do MEC é valorizar o papel do professor por meio da formação, com qualidade e reconhecimento. Esse fato apontado, para nós brasileiros ligados ao campo da Educação, não é nenhuma novidade. Essa proposição está garantida no Plano Nacional de Educação - PNE (2014 - 2024), plano amplamente debatido na esfera civil, IESs e entidades ligadas à Educação. O PNE determina diretrizes, metas e estratégias para a política educacional dos próximos dez anos. O PNE está dividido em quatro grupos: o primeiro envolve as metas estruturantes para a garantia do direito à educação básica com qualidade, e que assim promovam a garantia do acesso à universalização do ensino obrigatório e à ampliação das oportunidades educacionais; o segundo grupo diz respeito especificamente à redução das desigualdades e à valorização da diversidade, caminhos imprescindíveis para a equidade; o terceiro, que destacamos aqui, é o bloco de metas que trata da valorização dos profissionais da educação, considerada estratégica para que as metas anteriores sejam atingidas; e o quarto grupo refere-se ao ensino superior.
 
Nosso grande questionamento é sobre o formato e como está sendo conduzida a ação de construção desse programa, que fere toda a ideia de ação coletiva civil na elaboração das políticas públicas de Educação Nacional. Tal ação impositiva de um programa de formação, que não promova a escuta e o diálogo com as Instituições de Ensino Superior (IES) e entidades ligadas ao campo da Educação, em especial ao campo da Educação Musical, tais como FLADEM e ABEM, é um perigo para a construção das ideias de democracia, justiça e cidadania.
 
Entendemos que essa ação é mais um encaminhamento dos retrocessos causados após o golpe de 2016. E no que se refere ao campo da Educação Nacional está a serviço de fundamentar um programa que prima pelo tecnicismo exacerbado, sem produção de conhecimento por meio de pesquisa e prática docente. Trata-se de um programa que aprofunda a precarização do trabalho docente e que utiliza a ideia de formação continuada desarticulada de diversas outras dimensões, como aspectos salariais e de condições de trabalho.
 
Sobre os índices apresentados no Censo de Educação, divulgado em 2016, conforme aponta a nota de divulgação do Plano Nacional de Formação de Professores, também não se apresenta nenhuma novidade. Temos pensado juntos, em eventos, reuniões e outras ocasiões que tratam do campo da Educação Nacional, caminhos possíveis, democráticos e humanizados que modifiquem o quadro que o próprio governo atual sistematicamente auxilia a produzir.
 
A formação inicial e continuada de professores é sim um compromisso do Estado, como apontado na Lei de Diretrizes e Bases de Educação Nacional – Lei 9.394/1996, e também, mais especificamente, no campo da Educação Musical sob a Diretriz 3, das Diretrizes para Operacionalização do ensino de Música na Educação Básica, conforme Resolução CNE/CBE nº2, de 10 de maio de 2016, nas ações de:
 
I - ampliar a oferta de cursos de licenciatura em Música em todo território nacional, com atenção especial aos estados e regiões que apresentem maior escassez desses professores;
II - ofertar cursos de segunda licenciatura em Música para professores e demais profissionais da Educação Básica, bem como oportunidade de licenciatura em Música para bacharéis;
 III - incluir nos currículos dos cursos de Pedagogia o ensino de Música, visando o atendimento aos estudantes da Educação Infantil e dos anos iniciais do Ensino Fundamental;
IV - implementar a oferta de cursos técnicos de nível médio na área da Música pelos Institutos Federais de Educação, Ciência e Tecnologia (IF) e demais instituições de Educação Profissional e Tecnológica;
V - ofertar cursos de formação continuada para professores licenciados em Música e Pedagogia;
VI - orientar para que o estágio supervisionado e a prática de ensino dos cursos de graduação em Música tenham parte predominante de sua carga horária dedicada ao ensino de Música nas escolas de Educação Básica;
VII - estabelecer parcerias nacionais e internacionais de ensino, pesquisa e extensão em Música, bem como com outras iniciativas de instituições culturais ligadas à área musical.
 
Ao operar diretamente no processo de implementação dessas ações, o atual governo, com sua Política Nacional de Formação de Professores, impõe de cima para baixo o desenvolvimento de medidas que vinham sendo pensadas da base para o topo. Prevemos uma situação muito delicada se desenhando no horizonte e, entre esses perigos, alguns merecem nosso destaque. O primeiro deles está na produção de esvaziamento da/na pesquisa e das ações de parcerias construídas em âmbito nacional e internacional das IES que são responsáveis por esse processo na formação inicial de licenciandos que atuarão futuramente na Educação Básica. Em outro sentido, essa imposição invisibiliza toda a política de currículo e formação de professores ao limitar a produção de conhecimento sob a Base Comum Curricular, que deslegitima a voz da opinião pública na sua terceira versão, entregue ao Conselho Nacional de Educação para ser homologada. Essa forma impositiva ainda trata a formação de professores como ideia de unificação do saber e do conhecimento, o que gera epistemicídio da diversidade cultural e dos múltiplos saberes que todos os dias entram e acontecem na escola. Pensamos também que essa política efetivamente aprofunda o financiamento de entidades privadas ligadas ao mercado educacional no programa de formação nacional, colocando o investimento financeiro nas mãos dessas entidades e não dentro das escolas e nas IES. É notório no país o crescimento da ideia de educação enquanto bem de consumo, bem como o crescimento rápido de grandes grupos capitalistas que investem no setor. E por fim, a maneira de conduzir essa política fortalece a concepção de formação de professores em um âmbito tecnicista, o que conduz o professorado a uma estrutura do que é prescrito, invisibilizando e silenciando o que acontece e o que é praticado nos cotidianos das escolas e na vida dos educandos e educadores.
 
Nós, do Fórum Latinoamericano de Educação Musical – Fladem Brasil, somos contra o formato de condução da construção da Política Nacional de Formação de Professores anunciado pelo MEC, que não promove um contínuo e sistemático diálogo com as IES, entidades ligadas ao campo da Educação e sociedade civil, desarticulando todo um caminho que vinha sendo construído nesses termos.
 
Cremos no caminho da gestão democrática como o melhor procedimento para a construção de um Programa Nacional de formação de professoras e professores, que, em nosso caso, no campo da Educação Musical, estarão comprometidos com o ensino e aprendizagem de Música pautado por elementos fundamentais da cultura dos diferentes povos latinoamericanos, mediado pela integração sociocultural e pela solidariedade, permitindo canalizar e integrar diferenças de todos os tipos. Ou seja, nossa luta no FLADEM tem sido por uma Educação Musical pautada por nossos princípios: flexível e aberta, que busca romper estereótipos e a instaurar novos paradigmas de comportamento e aprendizagem no contexto escolar e social, por meio da vivência e da produção musical, que tende a promover o desenvolvimento pleno da sensibilidade artística, da criatividade e da consciência mental pela arte como um processo permanente de aprendizagem e integração das linguagens expressivas, visando o aperfeiçoamento da pessoa humana como meio de transformação qualitativa do mundo e da vida.
 
E como Fladem Brasil, nos comprometemos a entrar nesse debate com outras entidades ligadas ao campo da Educação Nacional, no intuito de colaborar com as proposições desse fórum, na implementação de políticas educativas favoráveis à realização de uma educação musical aberta, descolonizada e viva diante do que acontece nas salas de aula e dos segmentos da Educação Básica no Brasil, jamais pautada por um programa arbitrário e impositor como está sendo apresentado nessa política de formação do governo atual.
 
 
Atenciosamente,
Leonardo Moraes Batista
Presidente do Fladem Brasil (2017 - 2019)
Comentários (0)

Simpósio Fladem Brasil: a Educação Musical na América Latina

Publicado em 31/08/2016 às 13h06

 

Baixe AQUI a Convocatória na íntegra: Convocatória Nucleas

 

 

 

A Seção Brasileira do

Fórum Latinoamericano de

Educação Musical - Fladem Brasil -

convida para o

 

 Simpósio Fladem Brasil: a Educação Musical na América Latina

 

que será realizado no dia 18 de outubro de 2016 durante o

 

V Congresso Internacional do Núcleo de Estudos das Américas – NUCLEAS

 

 

PRIMEIRA CHAMADA

 

A Seção Brasileira do Fórum Latinoamericano de Educação Musical Fladem Brasil, convida educadores musicais, pesquisadores, estudantes de todos os níveis e demais profissionais interessados, a participar do Simpósio Fladem Brasil: a Educação Musical na América Latina, que será realizado na Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), na cidade do Rio de Janeiro, no dia 18 de outubro de 2016 durante o V Congresso Internacional do Núcleo de Estudos das Américas – NUCLEAS .

O V Congresso Internacional do Núcleo de Estudos das Américas apresenta como tema central “Américas - Processos Civilizatórios e crises do Capitalismo contemporâneo Mudanças Globais - Politica – economia – sociedade- imigração”. O Congresso deseja converter-se num fórum que contribua para fortalecer as relações mútuas expressadas no Continente. As comunicações e intervenções serão bem-vindas. Toda participação é relevante e contribuirá significativamente para o fortalecimento das relações entre as Américas e o mundo. As discussões e debates visam refletir sobre questões cruciais que assolam as sociedade americanas, entre as quais, a Educação e a Educação Musical.

 

 

 

OBJETIVOS GERAIS DO ENCONTRO

 

O Simpósio Fladem Brasil: a Educação Musical na América Latina propõe refletir sobre a Educação Musical brasileira e latinoamericana em geral e de que forma estas são influenciadas e influenciam os acontecimentos sociais, políticos e culturais do local onde estão inseridas.

 

 

ANTECEDENTES INSTITUCIONAIS DO FLADEM

 

Desde sua criação em São José – Costa Rica, em janeiro de 1995, o FLADEM tem se preocupado essencialmente em desenvolver, mediante ações concretas, uma maior consciência acerca do valor da Educação Musical na formação integral do ser humano e estabelecer uma rede profissional solidária e operativa que reúna os(as) educadores(as) musicais do continente latinoamericano. O FLADEM integra distintos grupos nacionais (com subsídios regionais e/ou locais) agrupados com o objetivo básico de elevar o nível e consolidar a identidade continental da profissão e dos educadores musicais dos diferentes países latinoamericanos, com especial interesse na busca de implementação

de novas propostas e modelos próprios de comunicação institucional e pedagógica.

 

 

 

ANTECEDENTES INSTITUCIONAIS DO NUCLEAS

 

O Núcleo de Estudos das Américas – NUCLEAS – foi criado em 2004 pelos professores Procientistas da Área de História das Américas do Departamento de História da UERJ, Maria Teresa Toribio Brittes Lemos e Paulo Roberto Gomes Seda. O NUCLEAS atua em parceria com a  Faculdade de Direito e Ciências Econômicas da UERJ, possui convênios com universidades brasileiras (UFES, UFSM, UESB) e estrangeiras (Universidade de Varsóvia, TEC Monterrey (México), UNA (Costa Rica), San Petersburg (Rússia) e Academia de Ciências de Moscou, através de Congressos e Fóruns. Possui projetos que vinculam-se às Linhas de Pesquisa Política e Cultura, Sociedade e Cultura, Economia e Integração e Direito das Cidades. Possui Grupos de Trabalho: Cultura e Cosmovisão; Pensamento Latinoamericanos; Economia, Integração e Relações Internacionais; Sociedade e Saúde; Cinema e História.

 

 

PROGRAMAÇÃO

 

 

A programação do Simpósio incluirá:

 

8 h 30 - Credenciamento

9 h 30 às 10 h 45 – Oficina

10 h 45 – Café

11 h às 12 h 30 – Comunicações

12 h 30 – Almoço

14 h 30 às 15 h 45 – Mesa Redonda – Convidados: Alejandro de Vincenzi  (presidente do Fórum Latinoamericano de Educação Musical - FLADEM) , Cecília Conde (Compositora e Educadora Musical) e Adriana Rodrigues (presidente do Forum Latinoamericano de Educação Musical seção Brasil - Fladem Brasil). Mediador – Leonardo Moraes Batista (vice-presidente Fladem Brasil)

15 h 45 – Café

16 h às 17 h – Debate e conclusão da Mesa Redonda

17 h às 17 h 30 – Encerramento e apresentação musical – grupo Vocalize

 

 

INSCRIÇÃO

 

As formas de participação ocorrerão de acordo com as seguintes categorias: expositores com apresentação de trabalhos e participantes.

A inscrição no Simpósio dá o direito de participar em todas as atividades programadas e deve ser feita na página do NUCLEAS http://www.vcongressonucleas.com.br/. Os interessados que não apresentarem trabalho também poderão fazer suas inscrições no dia e local do evento.

 

 

TEMÁTICA PARA APRESENTAÇÃO DE TRABALHOS

 

a. Reflexões sobre a Educação Musical brasileira e/ou latinoamericana e suas contribuições para o fortalecimento das relações entre as Américas e delas com o mundo.

 

 

ENVIO DE TRABALHOS

 

O Comitê Acadêmico levará em conta a inclusão de trabalhos que evidenciem uma relação direta com a temática do evento.

 

Apresentação de Propostas

Os(as) expositores(as) interessados(as) em apresentar propostas relacionadas com o tema do Simpósio deverão enviar seu texto de acordo com as normas elaboradas pelo NUCLEAS. Recomenda-se a prévia e atenta leitura das normas para publicação que se encontram na página do evento.

Os trabalhos devem ser enviados para o e-mail brasilfladem@gmail.com.

Para submeter qualquer trabalho é necessário ser membro do FLADEM através da sessão nacional Fladem Brasil. www.fladembrasil.com.br.

A data limite para o envio de propostas é 10 de setembro de 2016.

O Comitê Acadêmico Nacional se encarregará da seleção final das propostas e divulgará a lista com os trabalhos aprovados até o dia 25 de setembro de 2016.

 

 

 

Não haverá devolução da taxa de inscrição caso o inscrito não possa comparecer. Agradecemos a atenção para esta informação.

 

 

COMITÊ CIENTÍFICO

Elza Lancman Greif

Adriana Rodrigues

Jeanine Bogaerts

 

FLADEM - 21 ANOS DE VIDA INSTITUCIONAL

 

Comentários (0)

Encontro Nacional Fladem Brasil - Piauí

Publicado em 14/08/2016 às 22h06

 INSCRIÇÕES PARA O ENCONTRO NACIONAL 2016


Valor das inscrições

Comunidade em geral:
até 15 de outubro: R$ 105,00
De 16 de outubro até o início do Encontro: R$ 130,00

Estudantes e Professores da Educação Básica:
até 15 de outubro: R$ 75,00
De 16 de outubro até o início do Encontro: R$ 90,00
 
Para inscrever-se deposite o valor correspondente na seguinte conta:

Banco: Banco do Brasil
Agência: 3791-5
C/C: 9935-X
FADEX FLADEM BRASIL
CNPJ: 07.501.328/0001-30
 

Feito isso envie o comprovante de depósito juntamente com a ficha de inscrição para encontronacional2016fladembras@gmail.com

 

 

Encontro Nacional Fladem Brasil

Parnaíba, Piauí

 

22 e 23 de outubro 2016

 

Baixe Aqui a Convocatória

CONVOCATORIA Encontro Nacional Fladem Brasil 2016

 

Ficha de Inscrição AQUI: Ficha de inscrição Encontro Nacional 2016 Fladem Brasil

 

A Seção Brasileira do

 Fórum Latinoamericano de Educação Musical - Fladem Brasil -

convida para o seu

 

Encontro Nacional 2016

“Pedagogias Musicais Abertas: mitos, utopias e realidades”

na cidade de Parnaíba – Piauí

22 e 23 de outubro de 2016

 

PRIMEIRA CHAMADA

A Seção Brasileira do Fórum Latinoamericano de Educação Musical Fladem Brasil convida educadores musicais, pesquisadores, estudantes de todos os níveis e demais profissionais interessados em participar do Encontro Nacional Fladem Brasil 2016, que será realizado na cidade de Parnaíba –Piauí, nos dias 22 e 23 de outubro de 2016.

 

TEMÁTICAS:

  1. Os modelos abertos de Educação Musical. Atualização da didática, da linguagem musical e dos instrumentos em contextos institucionais e não institucionais. Análise crítica, pesquisas e formulação de propostas transformadoras.
  2. Problemas didático-pedagógicos nas instituições de formação musical e docente. A função dos grupos gestores. Ações e resultados.
  3. O Fladem Brasil como potencial fomentador de políticas públicas no país. Sua posição frente às definições curriculares e às possíveis políticas de exclusão ou limitação da Educação Musical como especialidade.
  4. A pesquisa em Educação Musical como geradora de mudanças concretas e significativas nos modelos didático-pedagógicos e metodológicos. Análise crítica da atual situação.

 

OBJETIVOS GERAIS DO ENCONTRO:

  • Oferecer um espaço de reflexão e análise acerca dos processos de musicalização nos distintos contextos brasileiros sob o prisma pedagógico e ideológico do FLADEM;
  • Promover aos participantes opções de intercâmbio de experiências e análise de situações concretas a partir da realidade brasileira e geração de conclusões em função da temática central do Encontro;
  • Formular estratégias de trabalho para articulação de uma Rede Profissional solidária e operativa no Brasil, vinculada aos educadores musicais, às instituições educativas e às necessidades locais relativas à Educação Musical;
  • Promover a difusão de materiais, propostas ideológicas e metodológicas de Educação Musical produzidas no país, de acordo com os princípios da instituição e a temática do Encontro;
  • Sistematizar a ação das seções regionais do Fladem Brasil com a finalidade de contribuir para o fortalecimento das mesmas, com vistas a uma ampla e contínua projeção nas políticas públicas das distintas regiões;
  • Gerar aportes pedagógico-musicais a partir da investigação, experimentação e reflexão sobre os processos e modalidades de formação musical no âmbito  institucional e não institucional.

 

ANTECEDENTES INSTITUCIONAIS DO FLADEM:

Desde sua criação em São José – Costa Rica, em janeiro de 1995, o FLADEM tem se preocupado essencialmente em desenvolver, mediante ações concretas, uma maior consciência acerca do valor da Educação Musical na formação integral do ser humano e estabelecer uma rede profissional solidária e operativa que reúna os(as) educadores(as) musicais do continente latinoamericano.

 

O FLADEM integra distintos grupos nacionais (com subsídios regionais e/ou locais) agrupados com o objetivo básico de elevar o nível e consolidar a identidade continental da profissão e dos educadores musicais dos diferentes países latinoamericanos, com especial interesse na busca de implementação de novas propostas e modelos próprios de comunicação institucional e pedagógica.

 

DINÂMICAS DE TRABALHO:

O Encontro centra-se nas análises e formulações de propostas concretas e no intercâmbio de experiências pedagógicas relevantes e inovadoras diretamente relacionadas com a temática desta edição. Estão previstas atividades diversificadas em função das necessidades formativas, de intercâmbio acadêmico e de conceituação de cada assistente. Os participantes poderão escolher, a partir da publicação do programa, aquelas atividades que mais interessam diante de suas próprias necessidades. A programação do seminário incluirá:

1º dia

8h - Local: Lagoa do Portinho - Abertura do evento com a Parte I - Alvorada - da música de  R. Murray Schafer ‘Music for Wilderness Lake’. (A peça está composta para ser executada num lago e tem duas partes: Alvorada e Crepúsculo). Preparação e Regência: Prof. Dr. Paulo Rios (UFMA)

9h -  Saída dos carros e vans da Lagoa do Portinho para o Porto dos Tatus, de onde sai o Catamarã para as atividades do dia.

10h -  Entrada no barco  - abertura no próprio Catamarã, depois de ouvidas as instruções da Marinha e as instruções de segurança.

10h30 - Abertura do Encontro Nacional Fladem Brasil no Catamarã com a Presidência do FLADEM, do Fladem Brasil e demais representações regionais e institucionais. Segue-se o "Mapeamento" da Paisagem Sonora do Delta do Parnaíba no Catamarã Mateus Portela, com um reconhecimento das comunidades das ilhas do entorno e da geografia própria da região. Atividade guiada pela Profª. Drª Marisa Fonterrada (UNESP) e equipe.

No dia também está prevista uma Roda de Conversa com a Profª Drª Teca Alencar de Brito (USP) para suscitar a reflexão sobre os saberes e fazeres das comunidades locais (visitadas) e suas possíveis relações com o trabalho em sala de aula.

Na embarcação será servido o almoço e a distribuição das atividades será de acordo com os vários momentos de experimentação propostos pela natureza da programação.

Permanência no Catamarã até por volta das 16 horas.

16h - Retorno à Lagoa do Portinho para a Parte II - Crepúsculo da música de  R. Murray Schafer ‘Music for Wilderness Lake’. Preparação e Regência: Prof. Dr. Paulo Rios (UFMA). Após esta programação cada um terá a noite livre para desfrutar da cidade e dos atrativos de Parnaíba.

 

2º dia

9h - Conferência: Alejandro De Vincenzi (Argentina)

11h - Mesa redonda: Perspectivas em Educação Musical quanto ao uso e difusão de músicas regionais e de culturas latino-americanas na educação musical brasileira

Profª Ms Adriana Rodrigues Presidente do Fladem Brasil

Profº Dr Luis Ricardo Queiroz Presidente da ABEM

Prof. Dr. Babi Fonteles - Sobre Cultura Indígena

Prof. Dr. Osmar Braga - Sobre Cultura Quilombola e Movimentos Sociais

Profª Dra. Paula Molinari - Mediação

13h -  Almoço

14h - Apresentação de Trabalhos

16h30  - Assembleia

  • Designação dos associados para assinarem a ata da assembleia;
  • Relatório anual de atividades;
  • Movimento de associados;
  • Relatório Financeiro.

17h30 - 18h Encerramento

 


O SEMINÁRIO ESTÁ DIRIGIDO A:

  • Educadores, Educadores Musicais dos diferentes níveis educacionais;
  • Funcionários governamentais, representantes e/ou dirigentes institucionais;
  • Professores de outras linguagens artísticas;
  • Profissionais e educadores de campos de conhecimento afins;
  • Estudantes de Educação Musical (Projetos, cursos livres, Graduação e Pós-Graduação);
  • Pessoas interessadas na problemática da Educação Musical.

 

Condições de Participação

 

A temática central do Encontro Nacional Fladem Brasil 2016 é:

 

“PEDAGOGIAS MUSICAIS ABERTAS: mitos, utopias e realidades”

 

Poderá ser tomada a partir de um ou vários dos sub-temas mencionados no início desta convocatória.

Espera-se que todas as propostas de participação se adequem e sejam também consoantes à temática do Encontro, devendo favorecer análises e reflexões em torno de um ou vários destes aspectos.

Os trabalhos devem ser, de preferência, inéditos e preparados especificamente para o Encontro, uma vez que se busca gerar e promover o pensamento pedagógico musical latinoamericano.

O Comitê Acadêmico levará em conta a inclusão de trabalhos que evidenciem uma relação direta, relevante e forçada com a temática do evento. Nesse sentido, o Comitê Acadêmico poderá sugerir alterações nos mesmos, visando propiciar seu êxito máximo.

A inscrição no Encontro dá o direito de participar em todas as atividades programadas.

As formas de participação serão aceitas de acordo com as seguintes categorias:  participantes com apresentação de trabalhos e ouvintes.

 

Apresentação de Propostas

Os(as) Expositores(as) interessados(as) em apresentar propostas relacionadas com o tema do Encontro podem enviá-las aos seguintes espaços:

  • Apresentação de Trabalhos em formato de pôster, exposição fotográfica, vídeos e portfólios.

 

Foram elaboradas as Instruções para Expositores. Recomenda-se a prévia e atenta leitura do Anexo correspondente ao formato especificado, disponível no site do Fladem Brasil a partir de 20 de agosto.

 

Para submeter qualquer trabalho é necessário ser membro do FLADEM através da sessão nacional Fladem Brasil. www.fladembrasil.com.br

A opção envio somente será habilitada em 20 de agosto.

 

A data limite para o envio de propostas é 15 de setembro de 2016.

continua...

 

 

 

Baixe a CONVOCATÓRIA na íntegra: CONVOCATORIA Encontro Nacional Fladem Brasil 2016

Diretrizes para expositores - Clique aqui!!

 

Ficha de Inscrição AQUI: Ficha de inscrição Encontro Nacional 2016 Fladem Brasil

 

 INSCRIÇÕES PARA O ENCONTRO NACIONAL 2016


Valor das inscrições

Comunidade em geral:
até 15 de outubro: R$ 105,00
De 16 de outubro até o início do Encontro: R$ 130,00

Estudantes e Professores da Educação Básica:
até 15 de outubro: R$ 75,00
De 16 de outubro até o início do Encontro: R$ 90,00
 
Para inscrever-se deposite o valor correspondente na seguinte conta:

Banco: Banco do Brasil
Agência: 3791-5
C/C: 9935-X
FADEX FLADEM BRASIL
CNPJ: 07.501.328/0001-30
 

Feito isso envie o comprovante de depósito juntamente com a ficha de inscrição para encontronacional2016fladembras@gmail.com

 

 

Comentários (0)

Carta Fladem-Brasil sobre o BNCC

Publicado em 18/01/2016 às 22h45

 

 

Link para download da Carta: Carta Fladem Brasil sobre a BNCC - MEC

 

 

Comentários (0)

show b01s bsd fsN normalcase tsN fwB left|left tsN fwR show b01s bsd|left show fwR tsN b01s bsd|bnull|sbss|image-wrap|login news fwB fwR normalcase c10 tsN b01 bsd|fsN fwR c10 tsN b01 bsd normalcase|b01 c05 bsd|news login fwR normalcase c10 tsN b01 bsd|fwR normalcase c10 tsN b01 bsd|normalcase tsY c10 b01 bsd|content-inner||b01ns bsd