Horário: 9h às 17h.                                                        

Coordenação: Adriana Rodrigues

Local: Conservatório Brasileiro de Música. Av. Graça Aranha, 57/12º. RJ. Metro Cinelândia.

Investimento: R$550,00/R$500,00 Alunos CBM e Associados FLADEM (fladembrasil.com.br)

Descontos para “pacote verão” e/ou pagamentos antecipados.

Informações: Adriana (021) 998043838

poseducacaomusicalfladembrasil@gmail.com

Feita pela e para a criança, a música tradicional da infância a embala desde o nascimento e percorre todos os seus passos até que chegue à idade adulta. Carrega os ritmos e molejos da música brasileira a beleza da nossa poesia popular, os gestos, movimentos e desafios imprescindíveis ao desenvolvimento da criança e a nossa diversidade cultural. Pautado nas pesquisas de campo realizadas por Lucilene Silva desde 1998, a proposta deste curso é a prática de um diversificado repertório de brincadeiras tradicionais, o estudo do seu material sonoro e o compartilhamento de uma experiência em Educação Musical baseada neste repertório. Conteúdos:

•          Cultura infantil: definição, dimensões, pesquisa e documentação;

•          Repertório: classificação, características e linguagem de movimentos;

•          Música tradicional da infância: características, gêneros, estilos, influências;

•          Gêneros musicais e ritmos brasileiros na música tradicional da infância;

•          Música tradicional da infância na Educação Musical.

Lucilene Silva é mestre e doutoranda em Música na UNICAMP, com parte da Pesquisa de Doutorado realizada no Departamento de Etnomusicologia da Universidade Nova de Lisboa, Desenvolve desde 1998 pesquisa de campo e documentação de cultura infantil e música tradicional da infância, tendo percorrido cerca de 160 municípios do Brasil e outros países da América Latina. Coordena o Centro de Estudos e Irradiação da Cultura Infantil e o Centro de Formação de Educadores da Oca Escola Cultural. Representa em São Paulo a Casa das 5 Pedrinhas fundada pela pesquisadora Lydia Hortélio. Integra a equipe de educadores da Casa Redonda Centro de Estudos e do Instituto Brincante. Entre outras publicações é autora do livro Eu vi as três meninas, música tradicional da infância na Aldeia de Carapicuíba, que em 2015 recebeu o prêmio IPHAN de Salvaguarda do Patrimônio Imaterial. Integra a Cia Cabelo de Maria com participação nos CDs Cantos de Trabalho volumes I e II, Baianás e São João do Carneirinho. Participou do filme Tarja Branca, uma revolução que faltava produzido pela Maria Farinha Filmes e do filme Mitã, uma poética da infância brasileira, produzido pelo Espaço Imaginário.

Quando penso para entender, posso imaginar como soa e como se toca, quando toco, entendo como foi feito e imagino como soa, se escuto entendo sua estrutura e posso imaginar como se toca. O desenvolvimento da criatividade faz parte tanto da formação instrumental como o referente a linguagem. Poder improvisar e compor têm uma função primordial na apropriação tanto do instrumento como da linguagem. Experiências que nos mudam, nos transformam. Uma das problemáticas mais importantes que afeta (sobre tudo) a educação musical é a dissociação que existe entre os conhecimentos adquiridos e a ação de tocar. Se sabe por um lado e se toca por outro. Cada aspecto do musical é trabalhado por separado e assim se mantém, em canais diferentes e paralelos. A experiência nos mostra que, salvo exceções, o que nasce dissociado assim permanece. O curso nos aproxima a uma metodologia em que a construção que realiza sobre a voz ou instrumento que se inicia (seja criança, adolescente ou adulto), é a ação resultante de uma compreensão integral onde confluem o intelectual e o sensório-motriz. Serão abordados os seguintes temas:

  • Metodologia instrumental em geral (para qualquer instrumento);

  • Metodologia de ensino da linguagem;

  • Integração da compreensão da linguagem na execução;

  • Integração do conhecimento conceitual e a escuta;

  • Importância e efeito dos vínculos no ensino.

Data: 13 a 17 de janeiro de 2019.  Horário: 9h às 17h.  Carga horária total: 40 horas.

Local: Conservatório Brasileiro de Música. Av. Graça Aranha, 57/12º. RJ. Metro Cinelândia. Coordenação: Adriana Rodrigues (21) 99804-3838 poseducacaomusicalfladembrasil@gmail.com

Investimento: R$ 550,00 / R$ 500,00 Alunos do CBM/ Associados do FLADEM (fladembrasil.com.br)

Descontos para “pacote verão” e/ou pagamentos antecipados.

Malena Hermann fez seus estudos básicos e superiores de piano com Violeta de Gainza com quem também estudou pedagogia e percepção auditiva de 1965 até 1982 de forma ininterrupta. Aluna de Gerda Alexander (1971 a 1974) no curso A eutonia e sua aplicação na técnica pianística. Fez curso de Psicanálise na APDEBA (Asociación Psicoanalítica de Buenos Aires). Professora da Escuela de Música Popular de Avellaneda nas disciplinas: Piano Harmônico; Prática docente (didática e prática docente instrumental e linguagem musical). Professora particular de piano para crianças, adolescentes e adultos. Trabalha com crianças com dificuldades motoras e / ou de desenvolvimento. É associada ao FLADEM desde 1996.

Ele bate as palmas, esfrega uma mão na outra, estala os dedos, bate os pés, arrasta a sola dos sapatos, percute peito, barriga e traseiro, explora sons com as bochechas: Keith Terry usa toda e qualquer superfície para explorar todas as suas possibilidades, criando sua música a partir de uma surpreendente variedade de registros sonoros com brilhantes variações rítmicas. Pode-se definir Keith Terry como um bailarino percussionista, cujo trabalho engloba uma gama de disciplinas afins, como música, dança, teatro, performance, dentro de uma visão artística própria criando uma linguagem que transcende padronizações. Keith se define como músico corporal, que a partir do uso do mais antigo dos instrumentos- o próprio corpo - cria uma base para explorar, aliar, mesclar possibilidades rítmicas, percussivas e de movimentos, tradicionais e contemporâneas

Encontro: 21 a 24 de Janeiro.  Horário: 14h às 19h                                                           Coordenação: Adriana Rodrigues

Local: Conservatório Brasileiro de Música. Av. Graça Aranha, 57/12º. RJ Metro Cinelândia.

Tradução: Elizabeth Dau

InvestimentoR$350,00/R$300,00 Alunos CBM e Associados FLADEM (fladembrasil.com.br)

Descontos para “pacote verão” e/ou pagamentos antecipados.

Informações: Adriana Rodrigues (21) 99804-3838 poseducacaomusicalfladembrasil@gmail.com

KEITH TERRY percussionista / dançarino / educador cuja visão artística transita na linha entre música e dança há mais de quatro décadas. Como solista, já se apresentou no Lincoln Center, Bumbershoot, All Things Considered e Morning Edition da NPR, The World, do PRI, Vienna International Dance Festival, e o Paradiso van Slag do World Drum Festival, em Amsterdã. Como produtor, fez 5 CDs e 4 DVDs para a Crosspulse Media. De 1998 a 2005, Keith fez parte do corpo docente do Departamento de Artes e Culturas Mundiais da UCLA, onde projetou e ministrou vários cursos sobre a relação entre música e dança; escuta profunda; sincronicidade, tempo e tempo; e comunicação intercultural nas artes. Em 2006, concebeu e dirigiu o primeiro International Body Music Performance Project para o Instituto Orff em Salzburg. Keith faz turnê anualmente nas Américas, Ásia e Europa, onde suas apresentações de música corporal, oficinas, residências e comissões coreográficas são conhecidas entre artistas profissionais e educadores. Keith Terry é Diretor Fundador da Crosspulse, uma organização de artes com 32 anos, com sede em Oakland, Califórnia, dedicada à música e dança interculturais baseadas no ritmo. Keith é também o diretor fundador / artístico do projeto Crosspulse: International Body Music Festival (IBMF), festival anual de 6 dias que explora a linguagem da música corporal de cultura para cultura. Desde 2008, o IBMF foi produzido em San Francisco / Oakland, EUA; São Paulo/ Brasil; Istambul/ Turquia; Terni/ Itália; Bali/ Indonésia; Paris/ França; Atenas/ Grécia; Quebec/ Canadá;Gana/África.

http://www.crosspulse.com/

http//www.internationalbodymusicfestival.com/

Apresentação do universo cultural brasileiro produzido predominantemente pela matriz africana e seus descendentes, principalmente por intermédio da dança, do ritmo, permeados pela religiosidade. Em cumprimento à lei 10.639/03 (agora modificada pela lei 11.645/08), trazer à tona a discussão acadêmica sobre a importância do conhecimento e da história contada pelas manifestações populares no campo do gesto e da musicalidade – artes corporais. Vivenciar as manifestações culturais e experimentar o prazer de aprender e trocar informações, envolvidos pelo ambiente lúdico. A dança, a percussão, o canto; (ketu e olubajé), Jongo da Serrinha, Leão Coroado, Lia de Itamaracá, Coco Raízes de Arcoverde, Lucio Sanfilippo); Vivência da dança – o jongo, o coco, a ciranda, o maracatu, as danças dos orixás (Oxum, Oxossi...) – representação mítica; Vivência da percussão – Jongo, ijexá, Agueré, Capoeira.

Encontro: 21 a 24 de Janeiro.  Horário: 8h às 13h.                                                       

Coordenação: Adriana Rodrigues

Local: Conservatório Brasileiro de Música. Av. Graça Aranha,  57/12º. RJ. Metro Cinelândia.

Investimento: R$350,00/R$300,00 Alunos CBM e Associados FLADEM (fladembrasil.com.br)

Descontos para “pacote verão” e/ou pagamentos antecipados.

Informações: Adriana (021) 998043838 (poseducacaomusicalfladembrasil@gmail.com)

Lucio Sanfilippo é cantor, compositor, professor de Educação Física, jornalista, mestre e doutorando em Educação. Tem 4 cds gravados – Cordel das Fitas, Canções de Amor ao Leo, A Flor do Velho Engenho e Do Reino da Pedra Miúda. Em 1997, em contato com as aulas de Educação Física, Folclore e Cultura Popular do Instituto de Educação Física e Desportos da UERJ com a Prof.ª Drª Zezé do Folclore, começou a entender que suas carreiras artística e acadêmica eram atravessadas pelas culturas populares transbordadas das religiosidades afro-brasileiras a que desde criança foi integrado. Sua monografia em Comunicação foi sobre Aracy de Almeida, uma das maiores cantoras brasileiras; em Educação Física, sobre o Jongo; dissertação de Mestrado sobre o Agueré de Oxóssi e a tese de Doutoramento em andamento, sobre a Festa, seus transbordamentos e potencialidades na escola, na rua e nos candomblé. No final dos anos 2000, foi convidado a montar uma ementa sobre Musicalidade e Expressão Corporal para a pós graduação África-Brasil: Laços e Diferenças, de Teresa Salgado na Atlântica Educacional, conveniada à UCP de Petrópolis. Daí, para a Argentina, Haiti e projeto de formação de professores. Sanfilippo traz para as trocas neste curso suas experiências com as oficinas de dança do final dos anos 90 que, 20 anos depois, enriquecem-se ainda mais das vivências acadêmicas, populares e especificamente religiosas.

Horário: 9h às 17h.                                                 

Coordenação: Adriana Rodrigues

Local: Conservatório Brasileiro de Música. Av. Graça Aranha, 57/12º. RJ. Metro Cinelândia.

Investimento: R$550,00/R$500,00 Alunos CBM e Associados FLADEM (fladembrasil.com.br)

Descontos para “pacote verão” e/ou pagamentos antecipados.

Informações: Adriana (021) 998043838

poseducacaomusicalfladembrasil@gmail.com

Contextualização. O litoral argentino e a sua música. Contexto e desenvolvimento histórico, social e político. Mestiçagem de três culturas (originaria, africana e europeia). Importância da presença africana na cultura da região. Relação música/paisagem. A transmissão oral como fonte de aprendizagem. A escrita musical.

Matrizes e características musicais. Ritmo. O “toque Congo” ou “ritmo de tango” como sínteses da música banto/americana. Suas variantes em 6 x 8. Exercícios através da voz, o corpo e a percussão. Improvisação. O Cajon no Litoral. A relação música/dança. A poesia. Inter-relação entre pesquisa e criação artística.

Chamamé. Linguajem rítmico-harmônico-melódico característico. Instrumentação. Referências e obras destacadas. Repertorio. Temáticas em suas letras. O toque de tambor. Contexto social, histórico e religioso. Pontos de encontro com os ritmos afroparaguaios.

Milonga. Chamarrita. Rasguido doble. Tanguito montielero. Referências e obras destacadas. Padrão rítmico como elemento unificador. Características rítmicas, harmônicas e melódicas de cada género. Instrumentações. Repertorio. Recreação de antigos candombes. Instrumentos, padrões rítmicos e seu conjunto, cantos.

Práticas musicais vigentes de raiz afro. A zemba ou charanda. O toque de tambor no chamamé. As Batucadas.

Gualambao. Referencias e obras destacadas. Repertorio. Características rítmicas, harmônicas y melódicas. Possibilidades rítmicas. Instrumentações

Pablo Suarez Flautista, percussionista, professor e pesquisador. Se dedicou a percussão afroamericana. Através de inúmeras viagens aprofundou seus conhecimentos com professores como Carlos Aguirre (Arg.), Osvaldo Fatorusso e Sergio Ortuño (Uruguai), Naná Vasconcelos, Hermeto Pascoal e Toninho Carrasqueira (Brasil), Abdoulaye Badiane (Senegal), Thobos Lubamba (Congo), Miguel Ballumbrosio (Peru), entre outros. Tem integrado e/ou dirigido diversos grupos de música popular. Desenvolve numerosas atividades pedagógicas pelas quais tem sido convidado por universidades e instituições do Brasil, Peru e Argentina.

Sebastián Martínez Professor da Universidad Autónoma de Entre Ríos (UADER). Formado em "Instrumentista de Música Popular" e "Professor de Instrumento em Música Popular" (Escuela de Música Popular de Avellaneda). Estudou percussão, harmonia e composição. Trabalhou com a educadora infantil Mariana Baggio. Tocou e gravou com vários grupos. Ministra várias oficinas: Universidad Nacional de Artes (Buenos Aires), Casa de Entre Ríos (Bs. As.), Conservatorio C. Guastavino (Rosario), 2do. Cong. Pedagógico (EMPA), “Encuentro Reg. del litoral (Rosario), Festival Internacional de Percusión "Rosario Repercute”, entre otros. Integra: “Damián Lemes Cuarteto” / “Nardo Gonzalez Grupo”.

© 2018 por Rebeca Vazquez